As origens da limpeza étnica soviética

Como o terror contra classes se tornou o terror contra etnias.

Direitos às armas como restrições deônticas

Para argumentar que a proibição não viola os direitos de ninguém, Dixon e McMahan devem sustentar que todos os indivíduos ficam mais seguros com a proibição de armas; nenhum risco individual de sofrer crimes violentos aumenta. Mas isso é certamente falso. Considere o caso da mulher que quer comprar uma arma para se proteger de seu ex-marido mentalmente instável e afastado. O ex-marido a supera em 40 kg. Ele já abusou dela antes. A polícia não pode ou não irá protegê-la; eles não estacionarão um carro na frente da casa dela a noite toda, nem enviarão um oficial para segui-la o dia inteiro. Ela não tem esperança de se defender sem uma arma. Ela não está mais segura se ela e o ex-marido forem legalmente proibidos de comprar armas; ela irá ficar à sua mercê.

Guerra e defesa da sociedade

Outros pensadores mantêm uma posição quase oposta: os preparativos militares tornam a guerra mais provável do que menos. Uma razão é que os líderes que acreditam que sua nação está bem preparada para a guerra ou que se consideram comandantes de grandes forças militares podem se comportar de maneira mais agressiva nas interações entre Estados, provocando respostas mais agressivas de outros. Um segundo problema é que a manutenção de um exército permanente cria uma classe permanente na sociedade com interesse econômico em guerra - militares, fabricantes de armas e outros que negociam com militares - e esse "lobby de guerra" pode promover suspeitas a nações estrangeiras e apoiar líderes agressivos que têm maior probabilidade de iniciar ou escalar conflitos. Um terceiro problema é que, apesar da popularidade do ditado "se você deseja paz, prepare-se para a guerra", países estrangeiros têm menos probabilidade de tomar seus preparativos de guerra como evidência de desejos pacíficos do que como evidência de intenções hostis. A suspeita e hostilidade gerada em nações estrangeiras aumentará a probabilidade de espirais de conflito que levam à guerra.

Justiça criminal e resolução de disputas

Existem dois sistemas principais pelos quais uma sociedade pode prever a resolução de disputas e a correção de violações de direitos. O primeiro é o sistema coercitivo e monopolista, no qual uma única organização assume autoridade exclusiva para fazer leis, resolver disputas e punir criminosos. Problemas grandes e bem conhecidos tendem a ocorrer em sistemas desse tipo, incluindo condenações errôneas frequentes, restrições legais excessivas e excessivamente complexas, altos custos monetários, atrasos, prisões superlotadas, abuso de prisioneiros e altas taxas de reincidência. Os governos em geral fazem pouco para resolver esses problemas, apesar da identificação por cientistas sociais e outros especialistas de inúmeras medidas que poderiam ser tomadas para melhorar significativamente o sistema. Essa negligência por parte do governo pode ser atribuída às características definidoras dessa abordagem da justiça; ou seja, seu caráter coercitivo e monopolista. Como o sistema governamental é financiado através de impostos obrigatórios, tribunais, prisões e outros elementos do sistema judiciário podem continuar a coletar a receita que o governo deseja alocar, independentemente da satisfação do consumidor. Como o governo detém um monopólio efetivo da provisão de justiça, essas organizações não precisam temer a substituição por concorrentes, independentemente de seu desempenho.

Segurança individual em uma sociedade sem Estado

A natureza radical desta proposta geralmente gera forte resistência: diz-se que a justiça não deve estar à venda; que as agências estarão em constante guerra umas com as outras; que servirão aos criminosos em vez de suas vítimas; que servirão apenas aos ricos; que não serão capazes de nos proteger, assim como o governo; que se transformarão em agências de extorsão; que um monopólio ou cartel evoluirá para explorar os clientes. Essas objeções surgem bastante quando estudantes, professores e leigos instruídos são introduzidos pela primeira vez à ideia de serviços de proteção não-estatais. Mas se examinarmos a proposta com mais cuidado e maior extensão, veremos que nenhuma dessas objeções é bem fundamentada. Os anarquistas têm argumentos bem fundamentados, fundamentados na teoria econômica e em premissas realistas sobre a psicologia humana, sobre como uma sociedade anarquista evitaria cada um dos desastres que os críticos temem.

A lógica da predação

Meu objetivo, no entanto, foi argumentar que esses mecanismos não podem satisfazer todas as esperanças que os teóricos democráticos depositam neles. A urna é de utilidade limitada para garantir um governo responsivo, uma vez que não é do interesse de eleitores individuais fazer mais do que esforços simbólicos na votação racional e informada. A complexidade do governo moderno torna impossível até mesmo o cidadão mais dedicado se manter informado sobre mais do que uma fração muito pequena das atividades do Estado. Os meios de comunicação são de utilidade limitada, uma vez que não é do seu interesse informar sobre a grande maioria dos erros e perigos do governo. As constituições são de uso limitado, uma vez que é preciso confiar no governo para fazer cumprir a Constituição contra si mesma, e raramente é do interesse do governo fazer isso fielmente. Finalmente, a separação de poderes é de utilidade limitada, uma vez que os diferentes poderes do governo têm mais a ganhar com uma causa comum na extensão do poder do governo do que restringindo vigilantemente o poder um do outro. Como resultado, mesmo os governos democráticos cresceram em enormes proporções nos tempos modernos e se transformaram em ferramentas para pequenos grupos de interesse bem organizados para explorar o resto da sociedade.

E se não existir autoridade?

Se não há autoridade, segue-se que devemos abolir todos os governos? Não. A ausência de autoridade significa, grosso modo, que os indivíduos não são obrigados a obedecer à lei apenas porque é a lei e/ou que os agentes do Estado não têm o direito de coagir os outros simplesmente porque são agentes do Estado. Ainda pode haver boas razões para obedecer à maioria das leis, e os agentes do Estado ainda podem ter razões adequadas para se engajarem em ações coercitivas suficientes para manter um Estado. Se os argumentos dos capítulos anteriores estiverem corretos, as circunstâncias e propósitos que justificariam a coerção por parte do Estado são justamente as circunstâncias e propósitos que justificariam a coerção por parte de agentes privados. Resta ver se algumas organizações estão justificadas em participar de atividades semelhantes a algo como um Estado para se qualificarem como Estados. Na terminologia da filosofia política contemporânea, até agora defendi o anarquismo filosófico (a visão de que não há obrigações políticas), mas ainda tenho que defender o anarquismo político (a visão de que o governo deve ser abolido).

A psicologia da autoridade

Sugeri neste capítulo que os seres humanos são equipados com preconceitos fortes e generalizados em prol da autoridade que operam mesmo quando uma autoridade é ilegítima ou emite comandos ilegítimos e indefensáveis. Como vimos, os indivíduos confrontados com as demandas das figuras de autoridade podem sentir uma compulsão quase incondicional de obedecer, e isso pode levá-los a procurar explicações sobre por que a autoridade é legítima e por que são moralmente obrigados a obedecer.

Consequencialismo e Equidade

"Vamos estender um pouco mais a história do barco salva-vidas. Você forçou os outros passageiros a retirar água do barco, poupando-o de afundar. Enquanto você está com a arma, decide que pode também alcançar alguns outros objetivos desejáveis. Você vê um passageiro comendo batatas fritas, o que aumentará o risco de doenças cardíacas. Apontando a arma para ele, você ordena que ele entregue as batatas fritas. Então você percebe um par de passageiros do outro lado do barco jogando cartas. Quando você vê que eles apostaram dinheiro no jogo, ameaça-os caso não parem de jogar. Outro passageiro tem algumas jóias caras, então você a pega e distribui para alguns dos passageiros mais pobres. Você também recebe $50 de todo mundo e dá para sua amiga Sally. Você ameaça atirar em qualquer outro passageiro que tente fazer as mesmas coisas que você está fazendo. Então você decide que seria bom ter um pouco de arte, forçando os outros passageiros a entregarem alguns de seus pertences para poder fazer uma escultura com eles. Por fim, você sente um desconforto em relação a um dos passageiros - não gosta da aparência dele - e ordena que os outros passageiros o joguem no mar."

A autoridade da democracia

A obrigação de promover o avanço igual de interesses também não estabelece obrigações políticas. Entre outras coisas, não está claro em que sentido a igualdade democrática é uma concepção de igualdade exclusivamente realizável publicamente, e não está claro como a obediência às leis democráticas constitui um apoio significativo às instituições democráticas. Mas mesmo que a obediência às leis democráticas constituísse um apoio significativo à igualdade, derivar a obrigação política desse fato exigiria postular um dever muito forte de promover a igualdade. Um dever tão forte provavelmente envolveria demandas implausíveis, exigindo que se dedicasse virtualmente a vida à promoção da igualdade. No final, a autoridade democrática não pode explicar nem a obrigação de obedecer à lei nem o direito de impor a lei à força a pessoas que não concordam.