A teoria do contrato social hipotético

Considere agora uma discordância de interesse particular, a discordância entre anarquistas e estatistas sobre a necessidade do governo. Não há razão para pensar que essa discordância evapore por trás do véu da ignorância, porque Rawls não deu nenhuma razão para pensar que aqueles que de fato mantêm uma dessas visões o fazem apenas porque confiam no conhecimento de sua posição particular na sociedade. Os anarquistas não discordam dos estatistas porque os anarquistas têm uma posição social peculiar ou combinação de traços pessoais que de alguma forma lhes permitiriam prosperar na ausência de governo enquanto o resto da sociedade se desmorona. Se os anarquistas estão corretos em suas crenças factuais, então algum sistema sem Estado seria melhor para a sociedade como um todo do que um sistema governamental; se estiverem errados, seria pior para todos, incluindo os anarquistas. O que quer que explique esse desacordo em particular, não é que alguém esteja adaptando princípios morais ou políticos para sua própria vantagem.

Rawlsianismo e Libertarianismo

Neste capítulo, vou me concentrar em explicar as defesas tomasianas e gausianas do liberalismo clássico comparando-as com as abordagens de Rawls em A Theory of Justice e Political Liberalism, respectivamente. Tomasi segue mais diretamente Rawls, enquanto as primeiras versões de Gaus da razão pública liberal antecedem Political Liberalism, mas mostram fortes semelhanças com a abordagem rawlsiana. No final, vou explorar sua compatibilidade.