Da Pensilvânia à Verdun: Friedrich List e as Origens da Primeira Guerra Mundial

A Primeira Guerra Mundial, ou a “Grande Guerra” (como a maioria dos europeus a chamam), foi um dos maiores desastres da história humana. Não somente matou e mutilou milhões, a nata de uma geração, também destruiu o sistema liberal e cosmopolita que tinha sido criado no século dezenove.

O Mito do Eleitor Racional

Há uma eleição à vista. Será que os eleitores sabem o que estão fazendo? De acordo com o economista comum – e vários cientistas políticos – a resposta é “Não, mas isso não importa.” Como isso poderia não importar?

O Conceito de Liberalismo no Brasil (1750-1850)

O objetivo deste artigo é examinar o conceito de liberalismo no Brasil durante a passagem do século XVIII para o XIX, destacando algumas especificidades do discurso brasileiro em relação à Europa e aos demais países americanos. Além disso, o liberalismo é abordado em seus desdobramentos conceituais imediatos (liberais, governo representativo, constituição) e seus contra-conceitos (absolutismo, despotismo, corcundismo), tanto no contexto dos debates da época da independência, como também no desenrolar da luta político-partidária da primeira metade do século XIX.

O legado da Grécia Antiga para a liberdade: A comédia da política

Ridicularizar políticos? Uma tradição pelo menos tão antiga quanto a Grécia à época de Aristófanes, como suas comédias demonstram. (16/27)

O legado da Grécia Antiga para a liberdade: A tragédia da política

Long examina os temas políticos da dramaturgia grega na Antiguidade. (12/27)

O que deixa os ricos mais ricos e os pobres mais pobres?

A História de Taine mostra claramente que a classe média foi a que mais sofreu com a Revolução Francesa. A atenção sempre se volta para os nobres, que foram roubados e guilhotinados. Entretanto, quando nos debruçamos sobre a vida naquele período, vemos que, considerando a nação durante os anos de desordem revolucionária, as vítimas foram aqueles que tinham qualquer propriedade, do agricultor ou pequeno comerciante ao indivíduo rico. Os ricos compraram sua liberdade e os nobres foram substituídos por uma nova gangue de parasitas sociais enriquecidos pelo saque e a extorsão. Esses últimos chegam mais perto do tipo de “comitê” que se espera ter em uma sociedade socialista do que qualquer outra coisa na história.

Política Libertária para Pandemias

"Como os libertários são contra a intervenção estatal, eles seriam contra tomar medidas para impedir doenças mortais, certo? Restrições de viagem, quarentenas, testes obrigatórios - tudo isso viola nossas liberdades! E isso é sempre ruim, segundo os libertários, certo?"

Cantões Virtuais: um novo caminho para a liberdade?

O caso islandês tem sido um modelo popular entre os defensores libertários do anarquismo de mercado. Mas é importante para oferecer lições valiosas aos que pensam em estruturas de governos também. No âmbito de um Estado, o divórcio entre jurisdição e geografia não é uma opção em nível nacional; mas continua a ser uma opção muito viva em nível local. Assim como uma nação pode ser dividida em vários pequenos cantões geograficamente distintos para fins de governo local e representação nacional, ela também pode ser dividida em unidades políticas análogas que não tenham nenhum significado territorial. Estes poderiam ser chamados de "Cantões Virtuais".

Prelúdio para a Primeira Guerra Mundial

Uma série de crises nos anos anteriores a 1914 solidificaram a Tríplice Entente ao ponto que os alemães sentiam que encaravam um “cerco” por forças superiores. Em 1911, quando a França tornou completa sua subjugação do Marrocos, a Alemanha se opôs veementemente. A crise subsequente revelou o quão próximas a Grã-Bretanha e a França tinham se tornado, conforme seus chefes militares discutiam enviar uma força expedicionária britânica ao longo do Canal em caso de guerra. Em 1913, um acordo naval secreto garantia que, no caso de hostilidades, a Marinha Real assumiria a responsabilidade de proteger a costa do Canal Francês enquanto a França manteria guarda no Mediterrâneo. “A entente Anglo-Francesa agora era praticamente uma aliança militar”. Na democrática Grã-Bretanha, tudo isso foi feito sem o conhecimento do povo, do parlamento, ou até mesmo do resto do governo.

Direitos às armas como restrições deônticas

Para argumentar que a proibição não viola os direitos de ninguém, Dixon e McMahan devem sustentar que todos os indivíduos ficam mais seguros com a proibição de armas; nenhum risco individual de sofrer crimes violentos aumenta. Mas isso é certamente falso. Considere o caso da mulher que quer comprar uma arma para se proteger de seu ex-marido mentalmente instável e afastado. O ex-marido a supera em 40 kg. Ele já abusou dela antes. A polícia não pode ou não irá protegê-la; eles não estacionarão um carro na frente da casa dela a noite toda, nem enviarão um oficial para segui-la o dia inteiro. Ela não tem esperança de se defender sem uma arma. Ela não está mais segura se ela e o ex-marido forem legalmente proibidos de comprar armas; ela irá ficar à sua mercê.