Cinquenta anos de FEE; Cinquenta anos de progresso da economia austríaca

Nesta época do jubileu de ouro da FEE (Foundation for Economic Education), os pensamentos de um economista austríaco concentram-se naturalmente no papel central que a Fundação desempenhou na sobrevivência e ressurgimento da economia austríaca durante o século XX. O estado e as perspectivas da economia austríaca em 1996 são muito mais saudáveis ​​e promissoras do que há cinquenta anos. Este ensaio esboça brevemente alguns destaques dos desenvolvimentos ocorridos nessas cinco décadas e chama a atenção para a importante contribuição da FEE a esse respeito.

Economia do bem-estar social: uma perspectiva austríaca moderna

Depois que identificamos o erro genuíno como um culpado responsável por uma falha do sistema econômico de uma sociedade em cumprir suas funções com sucesso, nos colocamos em posição de apreciar o significado desta segunda norma de coordenação. Sem o fenômeno da ignorância total, como vimos, nosso primeiro conceito de coordenação (como seu equivalente paretiano) acabou sendo de pouco interesse normativo. Afinal, observamos que, dada a ausência de ignorância total, todas as atividades devem ser realizadas da melhor maneira possível. Mesmo que algumas atividades estejam sendo realizadas 'erroneamente', por causa de informações incompletas, vimos, dificilmente poderíamos descrevê-las como subótimas ou 'erradas' - afinal, elas se aproveitavam de todos os fragmentos de informações que julgavam valiosas disponíveis.

Problemas do conhecimento e suas soluções: algumas distinções relevantes

Nossa discussão neste capítulo explora o significado do problema do conhecimento disperso, sondando a legitimidade da extensão de Hayek de sua visão original e estritamente econômica para aplicar à civilização em geral e a suas várias instituições em particular.

Planejamento econômico e o problema do conhecimento

Não se resolve o problema do conhecimento disperso postulando preços que irão com o tempo gerar decisões que se ajustam. O conhecimento disperso é precisamente a razão para a bem realística possibilidade de que os mercados num dado momento são incapazes de se equilibrarem e assegurarem a ausência de recursos desperdiçados. A verdade é que o mercado possui armas para combater (se não derrotar completamente) o problema do conhecimento disperso. Essas armas estão incorporadas no funcionamento do sistema de preços, mas não no funcionamento de um sistema hipotético de preços de equilíbrio.

Competição como processo de descoberta

Também vale a pena mencionar, a esse respeito, que quanto mais as oportunidades disponíveis de um país permanecem inexploradas, maiores são suas oportunidades de crescimento; isso geralmente significa que uma alta taxa de crescimento é mais um sinal de más políticas no passado do que de boas políticas no presente. Parece também que, em geral, não se pode esperar que um país já altamente desenvolvido tenha uma taxa de crescimento tão alta quanto um país cujo uso total de seus recursos há muito tempo se tornou impossível por barreiras legais e institucionais.

Preços, a comunicação do conhecimento e o processo de descoberta

O que emerge desses insights hayekianos sobre as propriedades de descoberta inerentes ao processo competitivo é o reconhecimento, certamente, de que os incentivos oferecidos pelos preços de mercado durante esse processo competitivo são os elementos-chave para motivar a entrada e a descoberta competitiva-empresarial. Nesse sentido, os preços desempenham um papel na "disseminação de informações" bem diferente de seu papel de sinais que comunicam informações já descobertas sob condições de equilíbrio.

Ludwig von Mises e Friedrich von Hayek: A moderna extensão do subjetivismo austríaco

Tomamos nota das contribuições separadas para a extensão do subjetivismo feitas por Mises e Hayek. Para Mises, a economia tornou-se uma ciência da ação humana (radicalmente subjetivista); Hayek delineou a tradução de teoremas econômicos em novas formas de compreensão em relação ao conhecimento dos seres humanos. Queremos argumentar aqui que essas contribuições separadas quando juntas não apenas constituem um passo decisivo do subjetivismo estático ao subjetivismo dinâmico, mas também, ao mesmo tempo, ajudam a articular uma compreensão subjetivista dos processos de mercado que constitui uma extensão autêntica do trabalho dos economistas da Escola Austríaca, em uma tradição que remonta a Menger.

Economia e Conhecimento

A ambiguidade do título deste artigo não é acidental. Seu tema principal é, obviamente, o papel que os pressupostos e as proposições acerca do conhecimento, possuídos pelos diferentes membros da sociedade, desempenham na análise econômica. Mas isto não está, de forma alguma, desconectado da outra questão que poderia ser discutida sob o mesmo título – a questão de em que medida a análise econômica formal transmite qualquer conhecimento a respeito do que ocorre no mundo real.

O debate sobre o cálculo econômico: lições para os austríacos

Minha história da articulação em desenvolvimento da moderna perspectiva austríaca é complicada, especialmente no que diz respeito ao debate sobre o cálculo, pela circunstância de que, a partir dessa perspectiva, parece haver três níveis distintos de entendimento econômico em relação ao sistema de preços. Pode ser útil para mim soletrar isso neste momento. São, respectivamente, (1) o reconhecimento da escassez, (2) o reconhecimento do papel da informação e (3) o reconhecimento do papel da descoberta.

O uso do conhecimento na sociedade

O problema de que estamos tratando aqui de forma alguma diz respeito exclusivamente à economia, pois ele surge junto com quase todos os outros verdadeiros fenômenos sociais, com a linguagem e boa parte da nossa herança cultural, constituindo de fato o problema central de toda ciência social. Como Alfred Whitehead disse, em relação a outra coisa, "Um truísmo profundamente falso, repetido por todos os manuais e nos discursos das pessoas eminentes, diz que devemos cultivar o hábito de pensar sobre o que estamos fazendo. O oposto é que é verdadeiro. A civilização progride quando aumentamos o número de trabalhos importantes que podemos realizar sem pensar neles".