As origens da limpeza étnica soviética

Como o terror contra classes se tornou o terror contra etnias.

Fascismo

A imagem de um líder forte assumindo responsabilidade direta sobre a economia durante momentos de crise fascinou observadores estrangeiros. A Itália foi um dos lugares onde Franklin Roosevelt buscou ideias em 1933. Criada por Roosevelt, o National Recovery Act (NRA) tentou cartelizar a economia americana, da mesma forma que Mussolini cartelizara a italiana. Sob a NRA, Roosevelt estabeleceu conselhos para toda a indústria, com poder de determinar e aplicar preços, salários e outras formas de emprego, produção e distribuição para todas as companhias de determinada indústria. Por meio da Lei de Ajuste da Agricultura, o governo exerceu um controle similar sobre os agricultores.

Prelúdio para a Primeira Guerra Mundial

Uma série de crises nos anos anteriores a 1914 solidificaram a Tríplice Entente ao ponto que os alemães sentiam que encaravam um “cerco” por forças superiores. Em 1911, quando a França tornou completa sua subjugação do Marrocos, a Alemanha se opôs veementemente. A crise subsequente revelou o quão próximas a Grã-Bretanha e a França tinham se tornado, conforme seus chefes militares discutiam enviar uma força expedicionária britânica ao longo do Canal em caso de guerra. Em 1913, um acordo naval secreto garantia que, no caso de hostilidades, a Marinha Real assumiria a responsabilidade de proteger a costa do Canal Francês enquanto a França manteria guarda no Mediterrâneo. “A entente Anglo-Francesa agora era praticamente uma aliança militar”. Na democrática Grã-Bretanha, tudo isso foi feito sem o conhecimento do povo, do parlamento, ou até mesmo do resto do governo.

Direitos às armas como restrições deônticas

Para argumentar que a proibição não viola os direitos de ninguém, Dixon e McMahan devem sustentar que todos os indivíduos ficam mais seguros com a proibição de armas; nenhum risco individual de sofrer crimes violentos aumenta. Mas isso é certamente falso. Considere o caso da mulher que quer comprar uma arma para se proteger de seu ex-marido mentalmente instável e afastado. O ex-marido a supera em 40 kg. Ele já abusou dela antes. A polícia não pode ou não irá protegê-la; eles não estacionarão um carro na frente da casa dela a noite toda, nem enviarão um oficial para segui-la o dia inteiro. Ela não tem esperança de se defender sem uma arma. Ela não está mais segura se ela e o ex-marido forem legalmente proibidos de comprar armas; ela irá ficar à sua mercê.

A pílula da clareza, parte 2 de 5: Uma teoria do erro generalizado

Colocar uma igreja no comando do governo não é colocar Deus no comando do governo. Colocar um mercado da verdade no comando do governo não é colocar a verdade no comando do governo.

Igualdade: O Ideal Desconhecido

Dada a vasta desigualdade de autoridade entre o aparato estatal e seus súditos — ou seja, dada a vasta desigualdade socioeconômica entre eles —, como é possível que aqueles que se consideram tão dedicados à igualdade humana prontamente se tornem apologistas do Estado? Isso é algo que atordoa os libertários. Não dá para entender como é que aqueles que demonstram tamanha sensibilidade em relação a restrições de escolha e a diferenças de poder de barganha, quando estas derivam de fatores de mercado, se tornam tão incrivelmente cegos para as restrições de escolha e os desiguais poderes de barganha gerados pelo braço armado do Estado, o qual tem plenos poderes para impingir suas demandas por meio da violência legalizada.

Keynes sobre eugenia, raça e controle populacional

A literatura sobre a vida e as ideias de John Maynard Keynes é enorme. No entanto, seus defensores negligenciaram seus pontos de vista sobre a população. Por quê? Suas ideias nesta área são altamente problemáticas. Este artigo fornece documentação que mostra que Keynes defendia extensos controles governamentais sobre o tamanho e a qualidade da população.

O Estado

Não se deve jamais esquecer que as nações não declaram guerra umas às outras, nem mesmo no sentido mais estrito são as nações que se enfrentam. Muito se tem falado que as guerras modernas são guerras de povos inteiros, não de dinastias. Mas não é porque a nação está arregimentada e porque seus recursos estão sendo direcionados à guerra que o país enquanto país está lutando. É o país organizado como um Estado que está lutando, e somente como um Estado poderia lutar. Então, literalmente, são Estados que fazem guerras uns com os outros, não povos. Governos são os agentes dos Estados, e são os governos que declaram guerra uns contra os outros, agindo de acordo com os interesses do grande ideal do Estado que representam.

Todos devemos economizar mais: A economia da ética da poupança

Como na externalidade da oferta de trabalho, no entanto, existem benefícios adicionais decorrentes da decisão de poupança. Conforme observado, a economia, medida pelo valor total do produto, torna-se maior pelo tamanho do incremento do valor refletido no produto líquido do investimento de capital que o ato inicial de poupar torna possível. Certamente, as fontes adicionais disponíveis para gastos, tanto em bens de consumo quanto em capital, no segundo ano devem vir da pessoa que primeiro poupa e depois recebe esse retorno líquido. Mas essa pessoa, no segundo ano, é capaz de retornar ao gasto ou ao fluxo de capital, ou ambos, US$ 1,05, que se torna a demanda por bens e serviços produzidos na economia. E uma economia que é maior, mesmo que em cinco centavos, é capaz de explorar mais plenamente as vantagens da especialização no uso de recursos. Coloque um dólar de poupança adicional junto com outros que refletem decisões semelhantes por parte de muitas pessoas, e uma tecnologia em algum lugar à margem da viabilidade econômica pode ser empurrada para além do limite da capacidade de sobrevivência.

A obviedade da anarquia

Você já se perguntou por que as pessoas acreditavam no direito divino dos reis, apesar do fato de que os monarcas de seu tempo não eram evidentemente o tipo de pessoa que tudo sabe ou um deus bom, como os escolhidos a reinar sobre eles? Acreditaram nisso porque foram ensinadas a acreditar nisso e porque podiam imaginar que sim, independentemente de todas as evidências em contrário. Não acreditamos mais em coisas tolas como o direito divino dos reis. Acreditamos que o governo é necessário para uma sociedade pacífica e ordenada e que é feito para funcionar de acordo com o estado de direito. Nós acreditamos nisso porque fomos ensinados a acreditar desde a infância e porque podemos imaginar que é assim, independentemente de todas as evidências em contrário.