Igualdade: O Ideal Desconhecido

Dada a vasta desigualdade de autoridade entre o aparato estatal e seus súditos — ou seja, dada a vasta desigualdade socioeconômica entre eles —, como é possível que aqueles que se consideram tão dedicados à igualdade humana prontamente se tornem apologistas do Estado? Isso é algo que atordoa os libertários. Não dá para entender como é que aqueles que demonstram tamanha sensibilidade em relação a restrições de escolha e a diferenças de poder de barganha, quando estas derivam de fatores de mercado, se tornam tão incrivelmente cegos para as restrições de escolha e os desiguais poderes de barganha gerados pelo braço armado do Estado, o qual tem plenos poderes para impingir suas demandas por meio da violência legalizada.

Keynes sobre eugenia, raça e controle populacional

A literatura sobre a vida e as ideias de John Maynard Keynes é enorme. No entanto, seus defensores negligenciaram seus pontos de vista sobre a população. Por quê? Suas ideias nesta área são altamente problemáticas. Este artigo fornece documentação que mostra que Keynes defendia extensos controles governamentais sobre o tamanho e a qualidade da população.

O Estado

Não se deve jamais esquecer que as nações não declaram guerra umas às outras, nem mesmo no sentido mais estrito são as nações que se enfrentam. Muito se tem falado que as guerras modernas são guerras de povos inteiros, não de dinastias. Mas não é porque a nação está arregimentada e porque seus recursos estão sendo direcionados à guerra que o país enquanto país está lutando. É o país organizado como um Estado que está lutando, e somente como um Estado poderia lutar. Então, literalmente, são Estados que fazem guerras uns com os outros, não povos. Governos são os agentes dos Estados, e são os governos que declaram guerra uns contra os outros, agindo de acordo com os interesses do grande ideal do Estado que representam.

Todos devemos economizar mais: A economia da ética da poupança

Como na externalidade da oferta de trabalho, no entanto, existem benefícios adicionais decorrentes da decisão de poupança. Conforme observado, a economia, medida pelo valor total do produto, torna-se maior pelo tamanho do incremento do valor refletido no produto líquido do investimento de capital que o ato inicial de poupar torna possível. Certamente, as fontes adicionais disponíveis para gastos, tanto em bens de consumo quanto em capital, no segundo ano devem vir da pessoa que primeiro poupa e depois recebe esse retorno líquido. Mas essa pessoa, no segundo ano, é capaz de retornar ao gasto ou ao fluxo de capital, ou ambos, US$ 1,05, que se torna a demanda por bens e serviços produzidos na economia. E uma economia que é maior, mesmo que em cinco centavos, é capaz de explorar mais plenamente as vantagens da especialização no uso de recursos. Coloque um dólar de poupança adicional junto com outros que refletem decisões semelhantes por parte de muitas pessoas, e uma tecnologia em algum lugar à margem da viabilidade econômica pode ser empurrada para além do limite da capacidade de sobrevivência.

A obviedade da anarquia

Você já se perguntou por que as pessoas acreditavam no direito divino dos reis, apesar do fato de que os monarcas de seu tempo não eram evidentemente o tipo de pessoa que tudo sabe ou um deus bom, como os escolhidos a reinar sobre eles? Acreditaram nisso porque foram ensinadas a acreditar nisso e porque podiam imaginar que sim, independentemente de todas as evidências em contrário. Não acreditamos mais em coisas tolas como o direito divino dos reis. Acreditamos que o governo é necessário para uma sociedade pacífica e ordenada e que é feito para funcionar de acordo com o estado de direito. Nós acreditamos nisso porque fomos ensinados a acreditar desde a infância e porque podemos imaginar que é assim, independentemente de todas as evidências em contrário.

Livro: O problema da autoridade política

Quem deveria ler esse livro? As questões abordadas aqui são relevantes para qualquer pessoa interessada em política e governo. Espero que meus colegas filósofos aproveitem, mas também espero que alcance além desse pequeno grupo. Portanto, tentei minimizar o jargão acadêmico e manter a redação o mais clara e direta possível. Não pressuponho nenhum conhecimento especializado.

Da democracia à anarquia

A estratégia argumentativa de Mozi é simples e convincente: ele parte de uma proibição ética incontroversa, aplica o mesmo princípio a um tipo específico de política do governo e considera que a política é moralmente inaceitável. É no espírito de Mozi que questiono a instituição do governo como um todo. Se um indivíduo viaja para outro país para matar pessoas, extrai coercivamente dinheiro de membros de sua própria sociedade, força outros a trabalharem para ele ou impõe exigências prejudiciais, injustas ou inúteis a outros através de ameaças de sequestro e prisão, os governos do mundo todo condenariam esse indivíduo. No entanto, esses mesmos governos não evitam realizar as mesmas atividades em escala nacional. Se achamos o argumento de Mozi convincente, parece que deveríamos achar similar o argumento de que a grande maioria das ações do governo é eticamente inaceitável.

Guerra e defesa da sociedade

Outros pensadores mantêm uma posição quase oposta: os preparativos militares tornam a guerra mais provável do que menos. Uma razão é que os líderes que acreditam que sua nação está bem preparada para a guerra ou que se consideram comandantes de grandes forças militares podem se comportar de maneira mais agressiva nas interações entre Estados, provocando respostas mais agressivas de outros. Um segundo problema é que a manutenção de um exército permanente cria uma classe permanente na sociedade com interesse econômico em guerra - militares, fabricantes de armas e outros que negociam com militares - e esse "lobby de guerra" pode promover suspeitas a nações estrangeiras e apoiar líderes agressivos que têm maior probabilidade de iniciar ou escalar conflitos. Um terceiro problema é que, apesar da popularidade do ditado "se você deseja paz, prepare-se para a guerra", países estrangeiros têm menos probabilidade de tomar seus preparativos de guerra como evidência de desejos pacíficos do que como evidência de intenções hostis. A suspeita e hostilidade gerada em nações estrangeiras aumentará a probabilidade de espirais de conflito que levam à guerra.

Segurança individual em uma sociedade sem Estado

A natureza radical desta proposta geralmente gera forte resistência: diz-se que a justiça não deve estar à venda; que as agências estarão em constante guerra umas com as outras; que servirão aos criminosos em vez de suas vítimas; que servirão apenas aos ricos; que não serão capazes de nos proteger, assim como o governo; que se transformarão em agências de extorsão; que um monopólio ou cartel evoluirá para explorar os clientes. Essas objeções surgem bastante quando estudantes, professores e leigos instruídos são introduzidos pela primeira vez à ideia de serviços de proteção não-estatais. Mas se examinarmos a proposta com mais cuidado e maior extensão, veremos que nenhuma dessas objeções é bem fundamentada. Os anarquistas têm argumentos bem fundamentados, fundamentados na teoria econômica e em premissas realistas sobre a psicologia humana, sobre como uma sociedade anarquista evitaria cada um dos desastres que os críticos temem.

A lógica da predação

Meu objetivo, no entanto, foi argumentar que esses mecanismos não podem satisfazer todas as esperanças que os teóricos democráticos depositam neles. A urna é de utilidade limitada para garantir um governo responsivo, uma vez que não é do interesse de eleitores individuais fazer mais do que esforços simbólicos na votação racional e informada. A complexidade do governo moderno torna impossível até mesmo o cidadão mais dedicado se manter informado sobre mais do que uma fração muito pequena das atividades do Estado. Os meios de comunicação são de utilidade limitada, uma vez que não é do seu interesse informar sobre a grande maioria dos erros e perigos do governo. As constituições são de uso limitado, uma vez que é preciso confiar no governo para fazer cumprir a Constituição contra si mesma, e raramente é do interesse do governo fazer isso fielmente. Finalmente, a separação de poderes é de utilidade limitada, uma vez que os diferentes poderes do governo têm mais a ganhar com uma causa comum na extensão do poder do governo do que restringindo vigilantemente o poder um do outro. Como resultado, mesmo os governos democráticos cresceram em enormes proporções nos tempos modernos e se transformaram em ferramentas para pequenos grupos de interesse bem organizados para explorar o resto da sociedade.