O que deixa os ricos mais ricos e os pobres mais pobres?

A História de Taine mostra claramente que a classe média foi a que mais sofreu com a Revolução Francesa. A atenção sempre se volta para os nobres, que foram roubados e guilhotinados. Entretanto, quando nos debruçamos sobre a vida naquele período, vemos que, considerando a nação durante os anos de desordem revolucionária, as vítimas foram aqueles que tinham qualquer propriedade, do agricultor ou pequeno comerciante ao indivíduo rico. Os ricos compraram sua liberdade e os nobres foram substituídos por uma nova gangue de parasitas sociais enriquecidos pelo saque e a extorsão. Esses últimos chegam mais perto do tipo de “comitê” que se espera ter em uma sociedade socialista do que qualquer outra coisa na história.

A história libertária da ficção científica

O que nos leva a uma razão final pela qual os autores libertários optam por expressar suas ideias através de uma lente de ficção científica. Embora as distopias satirizem e alegorizem os sistemas políticos e as práticas sociais defeituosas que governam o mundo que conhecemos, a ficção científica costuma explorar mais novos mundos e sistemas. Ao contrário da “ficção literária tradicional, que se passa principalmente no mundo atual ou no passado histórico”, escreve Somin, “a ficção científica […] facilita aos autores explorar ideologias [como o libertarianismo] que diferem radicalmente daquelas dominantes no mundo real”- ideologias que, diferentemente do socialismo, nunca foram realmente tentadas.

Liberalismo vs. Fascismo

E Spencer viu a Inglaterra começando a seguir os passos da Alemanha; ele observou com alarme "uma extensão manifesta do espírito militarista e da disciplina entre a polícia, que, usando chapéus em forma de capacete, começando a carregar revólveres e se encarando como meio soldados, passou a falar do povo como 'civis' ", e ele se opôs à "crescente assimilação das forças voluntárias ao exército regular, passando a propor a disponibilização no exterior, para que, em vez de ações defensivas para as quais foram criadas, possam ser usadas como ações ofensivas."

O que torna a brutalidade policial possível?

Tal desigualdade é, sem dúvida, inerente à instituição do próprio Estado. Todos os Estados, mesmo os supostamente democráticos, reservam para seus agentes certos direitos negados ao resto da população. E é nossa aquiescência do Estado que permite visualizar a polícia, até mesmo a polícia do campus, não como nossos iguais, mas como nossos mestres - o que lhes permite se safarem com abusos como este.

A nova astrologia

Nos mundos hipotéticos dos mercados racionais, onde grande parte da teoria econômica é definida, talvez. Mas a história do mundo real conta uma história diferente, de modelos matemáticos disfarçados de ciência e de um público ansioso por comprá-los, confundindo equações elegantes com precisão empírica.

Política Libertária para Pandemias

"Como os libertários são contra a intervenção estatal, eles seriam contra tomar medidas para impedir doenças mortais, certo? Restrições de viagem, quarentenas, testes obrigatórios - tudo isso viola nossas liberdades! E isso é sempre ruim, segundo os libertários, certo?"

Lições da Suécia para os EUA

Noventa e sete por cento da receita tributária sueca proveniente da renda provém de impostos proporcionais sobre a folha de pagamento e impostos fixos regionais, fixados em cerca de um terço da renda de todos. Apenas 3% da receita total do imposto de renda provém da “tributação dos ricos” especificamente. O sistema dos EUA é muito mais progressivo. De acordo com a última comparação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os 10% do topo nos Estados Unidos pagam 45% do total dos impostos de renda. Na Suécia, é menos de 27%. Se Sanders e a senadora Elizabeth Warren (D-NH) reclamam que os ricos dos EUA não pagam seu "quinhão", eles realmente odiariam o modelo sueco.

Por que os libertários acreditam que só existe um direito

Lembre-se também de que, se direitos são padrões externos de avaliação das instituições políticas, eles não podem, sem recair em circularidade, ser definidos com apelo a essas instituições; ao contrário, para parafrasear Jefferson, os governos são instituídos entre os homens para garantir direitos definidos de forma independente. Portanto, não é possível que exista um direito básico de ser tratado de uma certa maneira pelo governo; qualquer direito dessa natureza deve ser reduzido aos direitos válidos em relações interpessoais comuns. O sistema libertário de direitos de propriedade é passível de descrição dessa maneira; a posição estatista-assistencialista, aparentemente, não.

Cantões Virtuais: um novo caminho para a liberdade?

O caso islandês tem sido um modelo popular entre os defensores libertários do anarquismo de mercado. Mas é importante para oferecer lições valiosas aos que pensam em estruturas de governos também. No âmbito de um Estado, o divórcio entre jurisdição e geografia não é uma opção em nível nacional; mas continua a ser uma opção muito viva em nível local. Assim como uma nação pode ser dividida em vários pequenos cantões geograficamente distintos para fins de governo local e representação nacional, ela também pode ser dividida em unidades políticas análogas que não tenham nenhum significado territorial. Estes poderiam ser chamados de "Cantões Virtuais".

As origens da limpeza étnica soviética

Como o terror contra classes se tornou o terror contra etnias.