A greve dos caminhoneiros e uma aula de Brasil

O Brasil ficou refém dos caminhoneiros. Eles resolveram parar e quando eles param quase tudo para. Tem-se início o desabastecimento de produtos, sendo o principal deles o combustível. Sem combustível ninguém faz nada e o caos se instala. Todo mundo perde. Mas como chegamos novamente a esse ponto?

Como o livre mercado combate a discriminação

A descoberta de que os mercados derrubam a discriminação é tão importante que Gary Becker, o primeiro economista que demonstrou essa afirmação em um modelo rigoroso, ganhou o Prêmio Nobel, em parte, por esse trabalho.

O livre mercado não precisa de regulamentação governamental

Burocratas, que necessariamente tem conhecimento limitado e incentivos perversos, regulam pela ameaça de força física. Em contraste, as forças do mercado operam pacificamente através de milhões de participantes em cooperação, cada um com conhecimento ilimitado de sua própria circunstância pessoal e procurando seu próprio bem-estar.

Ficar ou largar

Maduro acaba de se reeleger em eleições claramente fraudadas. Houve antecipação das eleições e presos políticos com grande probabilidade de vitória não competiram, como Leopoldo López. O Grupo de Lima, formado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia não reconhecem as eleições. EUA preparam sanções pesadas. Hipoteticamente serão mais seis anos de Maduro, isso se ainda existir Venezuela até lá.

Urbanismo e complexidade social

Uma das minhas heroínas é a urbanista Jane Jacobs, que me ensinou a apreciar a importância do empreendedorismo em como os espaços públicos – espaços onde você espera encontrar desconhecidos – são planejados. E por ela aprendi que quanto mais precisa e compreensível é a sua imagem de uma cidade, menos provável que o lugar que você está imaginando é realmente uma cidade.

Economia e seus pressupostos éticos

Quando eu dei o título de "Pressupostos Éticos da Economia", meu primeiro pensamento foi "a economia não tem pressupostos éticos". Mas depois pensei que isto poderia não ser a melhor maneira de ganhar pontos aqui. Então eu vou falar sobre alguns sentidos em que a economia pode ter implicações para a ética.

Política é violência

“Todo Estado é baseado na força”, disse Trotsky em Brest-Litovsk. Isto é, de fato, verdade. Se não tivesse existido nenhuma instituição social que conhecesse o uso da violência, então o conceito de “Estado” não existiria, e surgiria uma condição que poderia ser designada como “anarquia”, no sentido específico desta palavra.

Dinheiro pode comprar felicidade

Nossa obsessão por bens materiais gerou desequilíbrios; viciados em trabalho (workaholics) reclamam da falta de tempo para desfrutar de seus bens. O próprio termo “sociedade de consumo” é uma descrição sarcástica, e não neutra, da vida moderna. O dinheiro – pelo menos em nível teórico – é continuamente atacado tanto pela esquerda, quanto pela direita.

O governo não é amigo do pobre

Suspeito que você já tenha ouvido isso diversas vezes. Os apologistas do Estado forte – Paul Krugman do New York Times e Eugene Robinson do Washington Post sendo exemplos recentes – estão convencidos de que simplesmente não existe alternativa aos programas sociais do governo. Sem o governo, as pessoas passariam fome e morreriam nas ruas. Voltaríamos à era da pobreza em massa. Assim, qualquer pessoa que questiona a necessidade dos esforços antipobreza do governo é cruel, desinformada ou ambos.

Adam Smith prova que ideias importam

Adam Smith foi batizado em 5 de junho de 1723 em Kircaldy, Escócia. Não se sabe ao certo, mas se presume que ele tenha nascido exatamente nesse dia, ou um ou dois dias antes. Seja qual for a data, a racionalidade e a eloquência de seu pensamento transformariam o mundo que passava a habitar.