Igualdade: O Ideal Desconhecido

Dada a vasta desigualdade de autoridade entre o aparato estatal e seus súditos — ou seja, dada a vasta desigualdade socioeconômica entre eles —, como é possível que aqueles que se consideram tão dedicados à igualdade humana prontamente se tornem apologistas do Estado? Isso é algo que atordoa os libertários. Não dá para entender como é que aqueles que demonstram tamanha sensibilidade em relação a restrições de escolha e a diferenças de poder de barganha, quando estas derivam de fatores de mercado, se tornam tão incrivelmente cegos para as restrições de escolha e os desiguais poderes de barganha gerados pelo braço armado do Estado, o qual tem plenos poderes para impingir suas demandas por meio da violência legalizada.

Keynes sobre eugenia, raça e controle populacional

A literatura sobre a vida e as ideias de John Maynard Keynes é enorme. No entanto, seus defensores negligenciaram seus pontos de vista sobre a população. Por quê? Suas ideias nesta área são altamente problemáticas. Este artigo fornece documentação que mostra que Keynes defendia extensos controles governamentais sobre o tamanho e a qualidade da população.

O Estado

Não se deve jamais esquecer que as nações não declaram guerra umas às outras, nem mesmo no sentido mais estrito são as nações que se enfrentam. Muito se tem falado que as guerras modernas são guerras de povos inteiros, não de dinastias. Mas não é porque a nação está arregimentada e porque seus recursos estão sendo direcionados à guerra que o país enquanto país está lutando. É o país organizado como um Estado que está lutando, e somente como um Estado poderia lutar. Então, literalmente, são Estados que fazem guerras uns com os outros, não povos. Governos são os agentes dos Estados, e são os governos que declaram guerra uns contra os outros, agindo de acordo com os interesses do grande ideal do Estado que representam.

O debate sobre juros entre Bastiat e Proudhon

No final de 1849 e começo de 1850, dois dos maiores expoentes do pensamento libertário francês, Frédéric Bastiat e Pierre-Joseph Proudhon, realizaram um debate ao longo de vários meses nas páginas do La Voix du Peuple [A Voz do Povo, no original em francês], jornal de Proudhon, sobre a natureza e a legitimidade da cobrança de juros.

Ação Humana, 1949: um episódio dramático na história intelectual

O termo "drama" pode parecer deslocado em relação a um tomo sério a respeito das fundações de uma disciplina séria. Mas Ação Humana não é uma obra qualquer. Na época de seu lançamento, considerou-se que a obra foi escrita de maneira friamente rigorosa, articulando uma visão de mundo particular a um entendimento de mundo particular — isso quando se achava que essa visão de mundo e esse entendimento já tinham sido varridos do cenário profissional. O livro acabou sendo sumariamente descartado, e subsequentemente ignorado, como se não passasse do último suspiro de uma tradição intelectual decadente. Mas essa opinião estava terrivelmente equivocada.

Cinquenta anos de FEE; Cinquenta anos de progresso da economia austríaca

Nesta época do jubileu de ouro da FEE (Foundation for Economic Education), os pensamentos de um economista austríaco concentram-se naturalmente no papel central que a Fundação desempenhou na sobrevivência e ressurgimento da economia austríaca durante o século XX. O estado e as perspectivas da economia austríaca em 1996 são muito mais saudáveis ​​e promissoras do que há cinquenta anos. Este ensaio esboça brevemente alguns destaques dos desenvolvimentos ocorridos nessas cinco décadas e chama a atenção para a importante contribuição da FEE a esse respeito.

Todos devemos economizar mais: A economia da ética da poupança

Como na externalidade da oferta de trabalho, no entanto, existem benefícios adicionais decorrentes da decisão de poupança. Conforme observado, a economia, medida pelo valor total do produto, torna-se maior pelo tamanho do incremento do valor refletido no produto líquido do investimento de capital que o ato inicial de poupar torna possível. Certamente, as fontes adicionais disponíveis para gastos, tanto em bens de consumo quanto em capital, no segundo ano devem vir da pessoa que primeiro poupa e depois recebe esse retorno líquido. Mas essa pessoa, no segundo ano, é capaz de retornar ao gasto ou ao fluxo de capital, ou ambos, US$ 1,05, que se torna a demanda por bens e serviços produzidos na economia. E uma economia que é maior, mesmo que em cinco centavos, é capaz de explorar mais plenamente as vantagens da especialização no uso de recursos. Coloque um dólar de poupança adicional junto com outros que refletem decisões semelhantes por parte de muitas pessoas, e uma tecnologia em algum lugar à margem da viabilidade econômica pode ser empurrada para além do limite da capacidade de sobrevivência.

Realismo e Abstração em Economia: Aristóteles e Ludwig von Mises contra Milton Friedman

O autor mostra como a abstração é entendida na tradição aristotélica e usa a compreensão aristotélica de abstração para mostrar como o argumento de Friedman pró irrealismo é confuso. Mostra ainda que essa crítica aristotélica de Friedman está implícita na obra de Ludwig von Mises. Em seguida demonstra que existe um uso austríaco legítimo para modelos irreais, que não é o uso que Friedman imagina. Por fim, explica como a crítica austro-aristotélica de Friedman contribui para a controvérsia e para os debates austríacos sobre apriorismo metodológico.

Pesquisa acadêmica – Quem precisa dela?

Seria interessante ter alguma forma de avaliação do valor típico de uma parte da pesquisa acadêmica. Talvez a maioria das pesquisas seja intrinsecamente valiosa? Produz benefícios para os acadêmicos? Produz benefícios para a sociedade? Se produzem benefícios, são grandes ou pequenos? Não vou comentar sobre o valor intrínseco. Quanto ao resto, acho que os benefícios da grande maioria das pesquisas acadêmicas são pequenos, isso na melhor das hipóteses, possivelmente negativos e não cobre os custos.

A obviedade da anarquia

Você já se perguntou por que as pessoas acreditavam no direito divino dos reis, apesar do fato de que os monarcas de seu tempo não eram evidentemente o tipo de pessoa que tudo sabe ou um deus bom, como os escolhidos a reinar sobre eles? Acreditaram nisso porque foram ensinadas a acreditar nisso e porque podiam imaginar que sim, independentemente de todas as evidências em contrário. Não acreditamos mais em coisas tolas como o direito divino dos reis. Acreditamos que o governo é necessário para uma sociedade pacífica e ordenada e que é feito para funcionar de acordo com o estado de direito. Nós acreditamos nisso porque fomos ensinados a acreditar desde a infância e porque podemos imaginar que é assim, independentemente de todas as evidências em contrário.