Prelúdio para a Primeira Guerra Mundial

Uma série de crises nos anos anteriores a 1914 solidificaram a Tríplice Entente ao ponto que os alemães sentiam que encaravam um “cerco” por forças superiores. Em 1911, quando a França tornou completa sua subjugação do Marrocos, a Alemanha se opôs veementemente. A crise subsequente revelou o quão próximas a Grã-Bretanha e a França tinham se tornado, conforme seus chefes militares discutiam enviar uma força expedicionária britânica ao longo do Canal em caso de guerra. Em 1913, um acordo naval secreto garantia que, no caso de hostilidades, a Marinha Real assumiria a responsabilidade de proteger a costa do Canal Francês enquanto a França manteria guarda no Mediterrâneo. “A entente Anglo-Francesa agora era praticamente uma aliança militar”. Na democrática Grã-Bretanha, tudo isso foi feito sem o conhecimento do povo, do parlamento, ou até mesmo do resto do governo.

Como a perda da propriedade privada causou o colapso de Zimbábue

Por muitos anos, Zimbábue ficou conhecida como a "joia" da África. Rica em matéria-prima e terras produtivas, o país cultivou comida o suficiente para alimentar seu povo e exportar o restante. O setor agrícola abasteceu cerca de 60% dos insumos da base industrial. Logo, a agricultura era realmente a base da economia.

Como o mercado está revolucionando a Etiópia

Enquanto líderes governamentais, ONGs e corporações elaboram estratégias para fornecer mais comida para as futuras gerações, Eleni Gabre-Madhin está adotando uma abordagem diferente. Preocupada com a escassez de comida que assolou o seu país natal, a Etiópia, em 2002 mesmo após as boas safras de 2000 e 2001, a economista formada em Stanford decidiu que era hora de pensar além da produção de comida e dar uma boa olhada na distribuição. O resultado? O primeiro mercado de commodities da África.

A Política da Nostalgia

A verdadeira ironia, mais uma vez, é que essa economia descentralizada produziu mais liberdade e mais flexibilidade para mais trabalhadores. Os mesmos progressistas que protestaram contra o conformismo da década de 1950, uma década depois, agora sentem nostalgia pelo que seus predecessores rejeitaram e estão rejeitando exatamente o ethos “faça você mesmo” pelos quais seus heróis da década de 1960 lutaram.

Império da Lei versus Decretos Legislativos

Costumes, tradições, maneiras e regras de etiqueta, não leis e regulações governamentais, são o que formam uma sociedade civilizada. Estas normas comportamentais, transmitidas por exemplos, oralmente e ensinos religiosos, representam um corpo de conhecimento destilado por anos de experiência, tentativa e erro. É a moral personificada nesses não farás: matar, roubar, trair e assim por diante. A importância destas normas comportamentais é que as próprias pessoas se comportam mesmo que ninguém esteja vigiando.

Política é violência

“Todo Estado é baseado na força”, disse Trotsky em Brest-Litovsk. Isto é, de fato, verdade. Se não tivesse existido nenhuma instituição social que conhecesse o uso da violência, então o conceito de “Estado” não existiria, e surgiria uma condição que poderia ser designada como “anarquia”, no sentido específico desta palavra.